segunda-feira, 3 de maio de 2010

Paratodos

Sabe, não restrinjo amizade: tenho amigos dos mais novos aos mais velhos. Em todos eles enxergo aquilo que, em mim, me salva do que tenho de pior. Creio em cada um feito quem ora, abraço-os como quem adentra um templo.

Nos mais velhos, vejo como é boa a alegria da infância, sábia que só. Que são os meus amigos mais velhos aqueles que mais se mostram dispostos a rir comigo, de mim, para mim; como se a maturidade viesse para ensinar a volta pra casa, um andar em linha reta que revela, doravante, o começo – já tão diferente, não pelo caminho, mas por quem nele se prolonga.

Dos mais novos, percebo como é belo o erro e o direito de tentar de novo. Sempre preferi os errados, falha de caráter, vai saber. Admirá-los crescer é perceber o quanto suas maiores besteiras insistem em desaguar naquilo que hoje guardam de mais sublime e belo. Meus amigos mais novos espelham em cravos, curvas e palavrões a responsabilidade que insisto em acreditar não ter. Que insisto em acreditar que não têm comigo.

È fato. Vivemos as pessoas que amamos. Cuidar dos nossos é mais que altruísmo – sentimento feio, desses que se julgam mais. É, na verdade, perceber-se pequeno e dizer em gesto ‘olha, preciso de você’, ‘olha, toma o que é teu’.

Vai ver é por tudo isso que não consigo enxergar relações funcionais. Não somos cargos e papéis, postura e fingimento. Somos homens e mulheres, todos tão carentes de carinho, que se vestem de roupa, mentira e dúvida só pra se esconder da vida. De tudo que a vida dá.

Quem sabe é a lua, não sei. Só queria dizer que tudo o que construímos – todo dia – é tão importante! Pois, olha, “eu sei que o barco tá furado e sei que você também sabe, mas queria te dizer pra não parar de remar, porque te ver remando me dá vontade de não querer parar de remar também”. É de um cara chamado Caio Fernando Abreu, mas poderia ser da gente.

4 comentários:

  1. E cada momento que coleciono contigo só me faz te admirar mais

    Camila

    ResponderExcluir
  2. Victor Valente, tão Valente q não tem medo d dar um abraço, um bjo ou pedir uma ajuda com os diarios, pedir pra tomar uma cerveja no bar da esquina apenas pra jogar conversa fora, pra caminhar na praia pelo simples andar, as vezes sem falar nd, só andar, não consigo m expressar em palavras os meus pensamentos e sentimentos muito menos qnd falo desse cara com quem eu aprendi e aprendo muito e espero sempre aprender mais...

    ResponderExcluir
  3. é por isso que eu te admiro como pessoa.

    ResponderExcluir